Capa do livro Germinal, de Émile ZolaÉ certo que nos tempos em que eu desconhecia os perigos da leitura dentro de um ônibus eu lia muito mais.

Esse é um dos livros que eu li inteiramente dentro da linha 029, Parangaba/Naútico, nas indas e vindas do meu segundo ano no CEFET-CE.

Li esse livro por indicação de um professor depois que ele nos passou um trecho do filme homônimo numa aula de sociologia.

Germinal é um livro do escritor francês Émile Zola, provavelmente seu livro mais conhecido. Basicamente é um detalhado romance sobre o dia-a-dia de mineradores de carvão na frança durante o século 19.

Depardieu e o fusil
Cena do filme Germinal, de Claude Berri, 1993.

Para escrever o livro, Zola viveu dois meses como minerador. Acordando, comendo, bebendo e trabalhando nas mesmas condições que eles. Isso deu a ele um retrato bem realista de como era suas vidas em diversos aspectos.

O livro descreve todo o desenrolar de uma grande greve geral dos mineiradores. A fome, a falta de moradia e o descaso das autoridades são um tema constante na obra.

Cena do filme Germinal

Não é preciso ir muito longe para traçar um paralelo entre Germinal e os dias de hoje. Nas notícias que eu acompanho pelos jornais, não é raro ver, ao menos uma vez ao ano, um acidente em uma mina de carvão ceifar de uma única vez algumas dezenas de vidas.

É um livro que eu recomendo. 3 de 5 Schnauzers.

Nota 3

Para conhecer mais: