Vinacc outdoor antigay anti-gay anti gay outdor

Diretamente da Paraíba (paraíba masculina mulhé maxu sim sinhô), o pastor Euder Faber, presidente da “Visão da Nova Consciência Cristã” (Vinacc) avisa:

“Nosso direitos estão ameaçados por causa desse projeto. Se ele for aprovado, vai haver uma ditadura gay no Brasil que vai atingir todo e qualquer cidadão que se opõe ao pensamento homossexual.”

O tal referido projeto é o Projeto de Lei 122/2006, que define como crime a prática da homofobia no Brasil, equiparando-a com o racismo. Na Paraíba, o pessoal do Vinacc comprou espaço em outdoors pra fazer uma campanha contra o projeto. A justificativa deles é que caso o projeto seja aprovado “vai subtrair garantias contidas na Constituição Federal, transformando nosso País numa espécie de “ditadura gay”, onde será proibido qualquer tipo de crítica a orientação homossexual.

Trechinho do site do VinaccImpressionante, o site do pessoal do Vinacc só fala (mal) desse assunto, homossexualidade. E o resto da filosofia de vocês hein? Cadê? Entrei no site de vocês pra conhecer a tal da “Visão da Nova Consciência Cristã” e só vi a frase “homossexualidade é pecado” escrita de umas 14 maneiras diferentes.

Ora, francamente meus queridos. Crítica à orientação sexual não pode ser proibida, é um direito garantido pela Constituição na forma da liberdade em expressar-se. Eu posso lamentar imensamente o fato de você ser homossexual (ou heterossexual, não vem ao caso), o que eu não posso é te discriminar pela sua preferência sexual, seja qual for. O pessoal desse Vinacc tá confundindo “direito de criticar” com discriminação.

Mas não vá dizer isso pra eles, você corre o risco de ser taxado de simpatizante da comunidade gay e exorcisado on-the-fly.

Leia mais aqui, aqui e aqui.

Em tempo: eu lembrei de um episódio que eu testemunhei. Em frente ao Tate Center, na UGA, um casal de pastores de alguma Igreja evangélica batista do sul dos Estados Unidos pregava veementemente contra o homossexualismo. Diziam que a Aids era o instrumento de Deus contra essa libertinagem e outras atrocidades. Um dos transeuntes que passava não gostou da pregação e gritou um rotundo “FUCK YOU, BIGGOT”, e foi aplaudido pelos demais. Uma semana antes, mais ou menos, havia ocorrido no mesmo Tate Center um “dia da consciência gay”, onde gays e simpatizantes se reuniram, em solidariedade aos colegas menos resolvidos (não assumidos) e trocaram relatos de experiências, etc. Liberdade de expressão é isso aí.