Archive for February, 2010

ele sempre foi o diferente da turma

The Big Lebowski

Faz um tempo que eu não escrevo sobre filmes aqui no blog e por outro lado esse último ano eu devo ter assistido uma média de um filme por dia, e também foi o ano que eu mais fui ao cinema. Pra isso tudo eu me fiz valar de muitas recomendações, listas e sugestões, daí a importância de se escrever resenhas. Por isso volto a escrever resenhas, seguindo as mesmas regras que eu já utilizava.

O filme que eu vou recomendar hoje é o The Big Lebowski. Havia uma thread num fórum chamada “Filmes fantásticos que você devia assistir” ou algo assim. Várias pessoas comentaram ótimos filmes que eu já tinha assistido. Até que alguém postou, sem dizer mais nada, somente “The Big Lebowski”. Fiquei curioso, como sempre dei uma rápida olhada na página da Wikipedia sobre o filme e então adicionei ele a minha longa lista de filmes que eu ainda vou assistir.

The Big Lebowski é um filme 1998 dos irmãos Coen, Joel Coen e Ethan Coen, o diretor de duas cabeças. Você deve conhecer eles do No Country for Old Men. Eu estou ainda descobrindo me deleitando com a obra deles, tenho assistido tudo que esses irmãos fizeram e tudo é ótimo. Pra falar deles seria necessários uma postagem em específico e para fazer isso serão necessários postagens de vários filmes deles, isso fica mais pra frente.

Jeffrey Lebowski (Jeff Bridges) é um cara que mora em Los Angeles, não gosta de trabalhar, ama boliche, maconha, é meio hippie e é conhecido simplesmente como “the dude” (algo como “O Cara”). A complexa trama começa quando ele se mete numa confusão ao ser confundido com um outro Lebowski e acaba envolvendo seu amigo veterano Walter Sobchak (John Goodman, “Fred Flintstone”) e Donny (meu esquisito favorito, Steve Buscemi). Seria um grande candidato a um clássico Seção da Tarde, estilo muita confusão, porém:

  • A trama vai ficando enrolada, muito enrolada, mais enrolada do que um filme comum feito para a maioria das pessoas entenderem.
  • A trilha sonora do filme é um espetáculo a parte. Além de ser boa parte original, são feitas inúmeras referencias. É um filme muito musical.
  • Há várias tomadas loucas, oníricas, psicodélicas, absurdas e surreais. Uma delas é Gutterballs, um filme curta dentro filme.
  • Há várias referencias políticas da época, Guerra do Vietnã, Guerra do Golfo e Saddam Hussein.
  • Puta que pariu, como tem palavrão nesse filme.
  • Diálogos. É daquele tipo de filme mágico, onde cada diálogo, por mais trivial e simples que seja tem um poder de se eternizar.

Ou seja, tudo que eu adoro num filme. O veredito, minha nota máxima, 5 de 5 schnauzers!

Nota 5

É sempre surpreendente ver um filme feito a mais de 10 anos atrás que deveria ser um clássico absoluto conhecido por todos mas que é bem pouco conhecido. O filme em si teve um orçamento de US$15 mi e inicialmente um apanhado bruto de US$ 17 mi, o que é bem decepcionante. Porém, anos mais tarde sua fama começou a se espalhar por boca a boca sobretudo pela Internet e hoje é um clássico cultuado e existe até um festival de adoração ao The Big Lebowski.

Poster de Tyler Stout.

O que faz todo, afinal, Lebowski não é um filme, não é um homem, é um estilo de vida.